Smartphones flexíveis não são exatamente uma novidade, e telas 3D também estão longe de chamar a atenção de muita gente nos dias de hoje. Mas e se você pudesse ter um celular com tela flexível e, ao mesmo tempo, pudesse ver imagens tridimensionais nele continuamente sem precisar usar nenhum tipo de óculos?

É num aparelho como esse que o pessoal da Queen’s University, no Canadá, está trabalhando. Eles conseguiram combinar essas duas capacidades em um só dispositivo, chamado HoloFlex, de uma forma bem criativa e única.

Arranjo da tela

Para começar, eles usaram como base um display OLED flexível tradicional, mas alteraram a forma como o padrão das imagens é reproduzido. Em vez de um arranjo comum, tudo é representado a partir de círculos formados por 12 pixels.
Isso tornou a resolução da tela utilizada, que era Full HD, em míseros 160x104 pixels, mas existe uma boa explicação para tal. A parte da proteção de vidro da tela é coberta de pequenas lentes olho-de-peixe que, combinadas aos “pixels redondos” do display, geram as imagens tridimensionais a partir de qualquer ângulo que a pessoa esteja olhando.
O vidro da tela é coberto de pequenas lentes olho-de-peixe
Com isso, não é necessário utilizar nenhum tipo de óculos polarizador para perceber o efeito e uma quantidade indefinida de pessoas pode observar a tridimensionalidade ao mesmo tempo, uma vez que as imagens não seguem o movimento do rosto de uma só pessoa através de um sensor, como acontece no Nintendo 3DS.

Quando chega?

Naturalmente, esse produto é apenas um protótipo bem primitivo e, caso a tecnologia receba mais investimentos e acabe sendo produzia comercialmente, é possível que as lentes da tela sejam miniaturizadas e a resolução possa ser melhorada para os padrões atuais. Mesmo assim, não há como dizer quando algo assim possa chegar ao mercado internacional.
Mais informações »
Os celulares com preço até R$ 500 continuam sendo os preferidos dos brasileiros. De acordo com um estudo da consultoria Kantar, eles respondem por 46% das vendas de celulares no Brasil. Os "baratinhos", no entanto, estão perdendo participação de mercado ano após ano. Enquanto isso, os telefones com valores até R$ 1,5 mil tiveram crescimento na passagem de 2014 para 2015.
Até R$ 500
Mais vendidos, os celulares de até R$ 500 estão aos poucos se tornando uma raridade. O Lumia 435, com Windows Phone, ainda é vendido abaixo deste patamar. Já o Redmi 2 e o Moto E 2, dois notáveis suspeitos quando o cliente busca um smartphone mais acessível, são listados em lojas online por preços mais próximos dos R$ 600.
Preço médio de smartphones no Brasil (Foto: Divulgação/Kantar)
Em 2013, 56% dos aparelhos vendidos no Brasil estavam nesta faixa de preço. A participação de mercado caiu para 48% em 2014 e ainda mais, para 46%, no ano passado.
R$ 501 a R$ 1 mil
Os telefones com preço de R$ 501 a R$ 1 mil passaram de 31% do mercado em 2014 para 43% no ano seguinte. Em 2015 houve um leve recuo, com os dispositivos intermediários totalizando 41% do mercado.
LG K10 (Foto: Ana Marques/TechTudo)
LG K10 (Foto: Ana Marques/TechTudo)
Nesta categoria aparece o idolatrado Moto G 3, smartphone que – segundo os comentários no mercado –deve ganhar uma atualização na semana que vem, com a chegada do suposto Moto G 4 e Moto G 4 Plus. A Samsung também marca presença neste segmento com o Galaxy J1. No limite do preço, a LG vende o LG K10 por R$ 999 – com direito a dual chip.
R$ 1.001 a R$ 1,5 mil
Segundo a Kantar, os telefones na faixa entre R$ 1.001 e R$ 1,5 mil atraem uma parcela pequena, porém crescente da população. O total de telefones enquadrados nesta categoria passou de 9% em 2013 para 10% em 2015, com uma breve queda em 2014 (8%).
Nesta faixa são encontrados alguns dos smartphones mais interessantes do momento. O Moto X Play tem bateria gigante, de 3.630 mAh. A Asus, por sua vez, conseguiu equilibrar custo e benefício com o Zenfone 2 com memória RAM de 4 GB. O processador é Intel Atom, que deixa a desejar em desempenho.
Xperia M4 Aqua chama a atenção por ser resistente a água. Embora esta característica seja encontrada em outras opções de smartphone, ela faz parte inclusive do nome do dispositivo. Já a Samsung tem o Galaxy S5 Duos New Edition, um S5 com especificações repaginadas, mas a mesma tela de 5,1 polegadas e tecnologia Super AMOLED.
Xperia M4 Aqua possui proteção contra mergulhos assim como o Moto G (Foto: Carol Danelli/TechTudo) (Foto: Xperia M4 Aqua possui proteção contra mergulhos assim como o Moto G (Foto: Carol Danelli/TechTudo))Xperia M4 Aqua possui proteção contra mergulhos assim como o Moto G (Foto: Carol Danelli/TechTudo)

Mais de R$ 1.501
No lado do Android, a Samsung aposta no Galaxy S7 e noGalaxy S7 Edge – eles foram lançados neste ano, durante a feira de celulares de Barcelona, MWC 2016. Entre as novidades está a memória RAM de 4 GB (o dobro do iPhone; embora a Apple não precise de tanta memória para ter um sistema com bom desempenho).Para além dos R$ 1.501, a procura ainda é pequena, mas crescente. Os telefones mais caros e também com características mais top de linha respondiam por 5% do mercado em 2013. O total caiu para 4% em 2014 e voltou a subir para 6% no ano passado. Mais notável dentre os smartphones nesta categoria, o iPhone 6S e o iPhone 6S Plus têm uma das melhores câmeras do mercado. O iOS tem desempenho sem travamentos.
Assista abaixo ao vídeo do lançamento do Galaxy S7 e saiba tudo sobre o iPhone 6S.

Fim da Lei do Bem
Uma vez que os celulares mais baratos estão deixando de ser comprados, é importante ressaltar que o fim da Lei do Bem fez com que as fabricantes subissem os preços dos smartphones. Desde dezembro de 2015, os celulares e outros itens de tecnologia deixaram de ser isentos do PIS/Cofins.
No caso dos smartphones, a alíquota passou de 0% para 3,65% para as empresas com lucro presumindo, sem abater créditos; e de 0% para 9,65% para as empresas com lucro real, que podem abater créditos. As informações são do site G1.

FONTE(S)
Mais informações »


Durante um evento especial, a NVIDIA finalmente revelou ao mundo os detalhes da novíssima GeForce GTX 1080, a substituta da GTX 980.


Durante a apresentação, após exibir uma demonstração de alguns jogos atuais rodando em qualidade máxima e com desempenho insano, Jen-Hsun Huang, CEO da NVIDIA, revelou que todos os gráficos estavam sendo processados em tempo real pela GTX 1080.
Trata-se de um produto que foi desenvolvido durante anos, que envolveu milhares de funcionários e custou bilhões de dólares (um valor tão alto que dava para visitar Marte). O resultado é uma placa de vídeo que apresenta desempenho superior ao que é obtido em uma configuração SLI de duas placas GeForce GTX 980.
A GeForce GTX 1080 é duas vezes mais poderosa do que a GTX TITAN X
Só isto já seria uma performance absurda, mas Huang fez questão de mencionar que o novo produto da NVIDIA é capaz até mesmo de entregar o dobro de performance gráfica da incrível GTX TITAN X em RV. Além desse avanço em gráficos, a fabricante ainda conseguiu otimizar o chip para entregar três vezes a performance energética. Confira as especificações completas:

Especificações GeForce GTX 1080

  • CUDA Cores: 2560
  • Clock Base: 1.607 MHz
  • Clock Boost: 1.733 MHz
  • Poder computacional: 9 TFLOPs
  • Memória: 8 GB GDDR5X
  • Velocidade da memória: 10 Gbps
  • Interface da memória: 256-bit
  • Largura de banda da memória: 320 GB/s
  • Tecnologia: Multi-Projection, VR Ready, NVIDIA Ansel, NVIDIA SLI Ready, NVIDIA G-SYNC Ready, NVIDIA GameStream Ready, NVIDIA GPU Boost 3.0, DirectX 12, Vulkan, OpenGL 4.5
  • Sistema: Windows 7, Windows 8, Windows 10, Linux, FreeBSDx86
  • Resolução máxima: 7680x4320 pixels @ 60 Hz
  • Displays: DP 1.4, HDMI 2.0b, DL-DVI
  • Temperatura máxima de funcionamento: 94°C
  • Consumo de Energia: 180 watts
  • Fonte recomendada: 500 watts
  • Dimensões (C x A x E): 26,67 x 11,11 x 2-slots
  • Preço: US$ 599
Gostou das especificações? A NVIDIA promete um desempenho impecável em qualquer jogo da atualidade com todas as configurações habilitadas e em resoluções elevadas. A promessa é de que esta seja a placa perfeita para realidade virtual. A GeForce GTX 1080 chega para o consumidor no dia 27 de maio.
FONTE(S)
Mais informações »
O Xbox One será produzido no Brasil, segundo um registro do console no site da Anatel, a Agência Nacional de Telecomunicações. É possível ver no site da empresa uma imagem com o símbolo da Anatel na caixa e a mensagem “Fabricado no Brasil”. O aparelho será lançado oficialmente em 22 de novembro em território nacional, por R$ 2.199.
Fotos da Anatel indicam Xbox One produzido no Brasil (Foto: Reprodução)
Fotos da Anatel indicam Xbox One produzido no Brasil (Foto: Reprodução)
A fabricação nacional explicaria a grande diferença de preço entre o console da Microsoft e o da concorrente direta Sony, o PlayStation 4, que será importado para o Brasil e vendido por R$ 3.999. Nos Estados Unidos, o Xbox One custa US$ 500 (por volta de R$ 1.090), mais caro que o PlayStation 4, que custa US$ 400 (em torno de R$ 870).
O modelo vendido no Brasil, homologado pela Anatel, incluirá o console Xbox One, um joystick, o novo periférico de captação de movimentos, Kinect 2.0, um cabo HDMI para conectá-lo à TV e um headset para uso em chat e jogos.
Tanto o Xbox 360 quanto o PlayStation 3 são atualmente fabricados no Brasil, o que garante a ambos um preço mais acessível para o mercado nacional. A Sony já demonstrou interesse em produzir o PlayStation 4 no país futuramente, mas no momento a única fábrica do console é a da Foxconn na China.
Mais informações »
Você já acendeu um palito de fósforo só para vê-lo queimando? Pois o pessoal do canal de YouTube HTD resolveu levar essa brincadeira a outro nível. Como é possível conferir no vídeo logo abaixo, eles enfileiraram 6 mil fósforos na forma de um quadrado e, com uma pequena chama, criaram uma impressionante reação em cadeia.
Para quem espera ver o pequeno incêndio se alastrando em instantes, é bom avisar que a destruição dos palitos é bastante lenta. O processo todo, que foi registrado em quase 15 minutos de gravação, mostra que o fogo se alastra aos poucos, com um som cada vez mais ominoso à medida que mais e mais fósforos são atingidos.
Ao fim, tudo o que sobra são milhares de restos retorcidos e carbonizados de palitos, que permanecem queimando por um bom tempo com um relaxante som do que parece ser uma tranquila lareira.


Gostou da cena? Pois saiba que ainda há mais conteúdo desse tipo para você ver – afinal, o canal HTD, mesmo com poucos vídeos, parece dedicado a fazer diferentes montagens incendiárias frequentemente.
Mais informações »